Diacrítico

23 a 26 de Setembro 
29 a 3 de Outubro 
21:00 na SALA de BOLSO - Miragaia, 61, Porto


Co-produção Assédio Teatro e Grua Crua
+ informações e reservas
gruacolectivo@gmail.com
914780810


Sinopse
Diacrítico:
Do grego ‘Diakritikós’ - penetrante, perfurante, que separa ou distingue.
1 [linguística] - sinal gráfico que distingue sons, letras ou palavras;
2 [medicina] - sinal que distingue uma doença de outra semelhante;
3 [teatro] - momento em que o ordinário se transforma em extraordinário.

Uma mulher submete-se a uma experiência. Uma mulher ferida na sua biografia pelas mesmas feridas que há milénios ferem as mulheres todas. Dispensa-se o seu nome pela universalidade dos ferimentos. Uma mulher submete-se a uma experiência declaradamente teatral, experiência que, pelo seu progresso errático, baptiza a nossa protagonista sem nome com um que a mitologia, a literatura e o teatro sacralizaram como símbolo do poder feminino: Medeia.
Celebrando a multidimensionalidade da consciência, abraçamos a ideia de que esta mulher é uma constelação de histórias que se sobrepõem e reflectem umas às outras infinitamente, viciada em redescobrir nos mitos muitas das urgências que ainda hoje nos assaltam: por debaixo do amor mal cicatrizado, a indispensabilidade do amor; na incerteza do espaço que ocupa hoje a maternidade, a pertinência do seu questionamento; nas falhas da linguagem, a premência da compreensão.

 

M/12

 Duração aprox. 60’ aprox.

 


Ficha Técnica e Artística
Criação Catarina Carvalho Gomes e Pedro Galiza
Texto Pedro Galiza
Interpretação Catarina Carvalho Gomes
Sonoplastia Sofia Fernandes
Desenho de Luz Tiago Silva
Design Nuno Leites

Produção executiva Inês Simões Pereira
Co-produção Assédio Teatro e Grua Crua

Apoios:

Câmara Municipal do Porto

ACE-Escola de Artes e Teatro do Bolhão

Apoio Institucional Fundação GDA

Financiamento:

Direcção-Geral das Artes / Ministério da Cultura
© 2021