DERIVA

texto Paulo Proença e Alexandra Leite

encenação e sonoplastia Francisco Leal

espaço cénico ASSéDIO à MARGEM

desenho de luz  Nuno Meira

interpretação Alexandra Leite

direcção artística Paulo Proença

produção CEIA - Colectivo de Experimentação e Investigação Artística

colaboração ASSéDIO à MARGEM

 

 

DERIVA é uma peça de Áudio-Teatro em que a sonoplastia e a iluminação são os meios de linguagem performativa no espaço cénico que vai possibilitar a reflexão sobre o teatro, os modos de ver e de ouvir a acção teatral e da experiência e participação do público.
É um diálogo entre as partes de um Eu tripartido a  partir da deriva de cada um deles. Encontram-se num espaço vazio, sem referências de um tempo ou local. Falam entre si das memórias fragmentadas de um passado comum  que  apenas é evocado em perda de memória, de identidade e em isolamento. Avançam retroactivamente reciclando pequenas memórias que lhes servem de coordenadas, tentando localizar-se e mapear uma noção de si. Sem o conseguir chegam a um lugar em que um tempo, também fracturado, se revela em sucessivos "anoiteceres" que lhes antecede finalmente a morte.

Duração: 24 minutos

  • Facebook Social Icon

                 membro da                                                                     estrutura financiada por                                                                                                                                           apoio